POEMA E CONCRETO - Poema de Wagner Gama

POEMA E CONCRETO

 

 

Então vamos conter o difícil

Abstrair as devoções e abreviar um pouquinho só as paixões

E enlouquecer sem ser tão débil

Vamos ali um pouquinho investigar os nossos berços

Os nossos filhos desde pré dentes

Vamos provocar a fome latente

Essa fome abrasadora quente

Vamos sentir o cheiro do lixo

Esse mesmo lixo que é nosso vizinho

Vamos sentir os nossos casulos

Vamos sentir aquele sofrer bem primário

Vamos estipular o fazer de qualidade

Vamos sair do aquário ou vamos, como um peixe, comer até estourar

Humanos podem vomitar

Sobra noite e dia, sobra tempo sem relógio, sobra roupa sem ter gente dentro

Sobram esses cabelos todos sem pente

Sobra carro em feriado no pedágio

Sobra o caminho, sobra a solidão

Sobra, ás vezes, até o desejar do último dia

Sobra a criança, bem ali no chão

Até sobra um presentinho em dia de Natal

Sobra o resquício de alimento até sobra água no cimento

Sobra de vez e quando até uma escuridão para eu não me ver

Agora sobra muito ser cidadão e ter dever

Sobra, sobra

Mas agora acabou.

 

 

(Wagner Gama)

 

comments

  

DONDE MIRAS  colecionadore de pedras  angude sangue    mesquiteios  

manda busca  tarja preta   aguas da cabaca  entre o silencio e o alter ego  sobreesquinastulmutuadasdeverdade

capa serginho donde miras  toda poesia paulo leminski literatura r7 4501  vinicius de moraes  motolove  capavictor  desenho do chao

  

Acervo

Conheça o acervo online do Coletivo Correspondência Poética que desde de 2009 atua na pesquisa e difusão literária, por meio de diferentes plataformas.

 

iconwifi

para ver para ouvir

Biblioteca

Videoteca

Audioteca

Acesse nosso acervo de poesias.

Leia ou envie poemas.

São mais de 150 vídeo poemas

para você assistir.

Aumente o volume e conheça

nossa audioteca poética.