CORRIDA DO DIA A DIA - Poema de Daniele Lima

CORRIDA DO DIA A DIA

 

E eu corri, porque meus pais mandaram

E eu corri, porque todos estavam correndo
E eu corri, e não foi por opção
E eu corri, o vento estava me puxando
E eu corri, sem entender o que estava acontecendo
E eu corri, esperando receber algo em troca
E eu corri, mas só depois de muito tempo percebi que nunca chegaria a lugar nenhum


E então PAREI, e Os observei...
Eles corriam apenas para passar na frente dos outros
Eles corriam por correr...
Correndo e morrendo...
Correndo mais rápido e rápido...


Deixando que a poeira cegasse seus olhos
E o vento tapasse seus ouvidos
E que os seus pés perdessem os sentidos
Se esquecendo de beber água e enxugar o suor
Se esquecendo que precisam parar de correr para viver.

 

(Daniele Lima)

comments

  

DONDE MIRAS  colecionadore de pedras  angude sangue    mesquiteios  

manda busca  tarja preta   aguas da cabaca  entre o silencio e o alter ego  sobreesquinastulmutuadasdeverdade

capa serginho donde miras  toda poesia paulo leminski literatura r7 4501  vinicius de moraes  motolove  capavictor  desenho do chao

  

Acervo

Conheça o acervo online do Coletivo Correspondência Poética que desde de 2009 atua na pesquisa e difusão literária, por meio de diferentes plataformas.

 

iconwifi

para ver para ouvir

Biblioteca

Videoteca

Audioteca

Acesse nosso acervo de poesias.

Leia ou envie poemas.

São mais de 150 vídeo poemas

para você assistir.

Aumente o volume e conheça

nossa audioteca poética.